terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Natal 1973


PANGAMONGO


 Natal da 3ªCCaç
Tudo começou com;
O presépio. Grande no tamanho e em beleza. Pessoal ligado à carpintaria montou uma enorme e bem arquitectada estrutura. Depois o papel de cenário e a mestria de alguns mais ligados às artes, fizeram milagres; as rochas, a neve, as figuras. Depois criaram o céu e as estrelas. Foram alguns dias, seriam seis?
 Destaque para a forma como os mentores, homens de fé e mais ligados às tradições, conseguiram envolver colegas alheios a estas coisas. Homens como estes merecem ser recompensados.


24/12/1973
A Ceia de Natal. Boa e farta. Bacalhoada a preceito e Bolo-rei, da responsabilidade da Vague mestria. As muitas iguarias da época, a cargo das chef’s; 1ª Dama (esposa do Cmdt. as minhas desculpas pelo esquecimento do nome, imperdoável) e Mariana Lagarto, outras terão colaborado, mas foram estas que mais presenciei nas lides.

As prendas. No fim do jantar, distribuição de prendas para todos os filhos dos militares ao serviço desta companhia. As crianças presentes tiveram o prazer de logo e ali usufruírem dos seus brinquedos. Os outros iriam recebê-los uns dias mais tarde pelo correio.
Comunhão de sentimentos e afectos. Mas o que ainda hoje mais me emociona, relativamente aquele dia, foi a comunhão de sentimentos, a alegria de estarmos todos juntos, oficiais, sargentos do quadro e milicianos, seus familiares e praças, todos reunidos no refeitório dos últimos, sem estarmos subordinados a qualquer hierarquia ou disciplina militar, mas tão-somente à disciplina da nossa consciência. Livres mas responsáveis.
Bem hajam todos quantos deram corpo, a um Natal assim.

25/12/1973
Dia de Natal. Depois do almoço e para dar continuação ao espirito natalício vivido no dia anterior, realizou-se um espectáculo musical no refeitório das praças, com um grupo de militares pertencentes ao BC4910. Deste grupo fazia parte o saudoso sold. cond. Sidónio, pertencente à 3ªCª.
Concerto com lotação esgotada pela família da 3ªCª/BC4910 e pelos civis da Compª Cabinda residentes no Pangamongo.
O espectáculo era composto de duas partes, a primeira dedicada ao fado a segunda à música pop. Na parte final o Sidónio brindou-nos com La Bamba, na versão de Ritchie Valens, uma música muito em voga àquela data. É este Sidónio que vou recordar.


video

7 comentários:

Anónimo disse...

A noite de 24Dez.73 em Sanga Mongo, teve o mérito de juntar oficiais sargentos e praças no refeitório situado no exterior do aquartelamento, o que foi bonito. Mas, quanto ao jantar, foi uma vez mais, esparguete com uns pedacinhos de carne vindos não sei de onde. Houve atraso no fornecimento de víveres e a festa natalícia fez-se com muita bebida e consequentes monumentais pielas. Foi o ultimo que o meu pelotão de morteiros (3094) passou em terras de Cabinda de que guardo, apesar de tudo, muito boas recordações.
Luis Romao, op. TRMS.

Anónimo disse...

Finalmente graças ao camarada Luis Romão, creio estar encontrado o pelotão de morteiros que substitui os velhinhos e cacimbados artilheiros que fomos encontrar no Chimbete em Agosto de 1974, cuja identificação ainda não foi possivel fazer.
Ao Luis, se eventualmente passar novamente por este espaço, solicita-se que tente identificar os furrieis do pelotão de morteiros(3094?) no poste de 04/08/2013 e se possível esclarecer qual o pelotão que foram render.
Pela visita e pela informação prestada, um abraço e o nosso obrigado.
antonio almeida

Anónimo disse...

O Pel.Mort. 3094, rendeu em Sanga Mongo,o Pel.Mort. 4271 que rodou para Sanga Planície em 31Jul.73, onde estivéramos nos primeiros dez meses da nossa comissão. Na altura o aquartelamento do Chimbete estava já desativado. Não sei a data da foto em questão, mas é muito provável que os elementos não identificados sejam deste Pel.Mort.(4271)
E, para que conste, fomos rendidos em Fev.74 no Sanga Mongo, pelo Pel.Mort. 5078/73.
Um abraço.
Luis Romão

João Silva disse...

Luís Romão, a minha companhia (2ª) era a que estava no Sangamongo, na altura em que foram rendidos - Fev/74.
Estivemos lá de + - Agosto/73 a Setembro/74.

Recordo dois furriéis com quem me dava muito bem, não lembro os seus nomes, um de Penafiel o outro de Olhão. Mas não sei se eram do teu pelotão ou do que vos rendeu.

Anónimo disse...

1 cabo n 15923772 ap, morteiro 81.passou pelos aquartelamentos de miconge sanga planície, batassano, sangamongo,tchivovo b.caç 11 aeroporto de cabinda.sou do pelotão morteiro 4271 em terras de africa sou dos açores da ilha de são miguelfreguesia dos pico da pedra fiz visualização e ablogger
mfea

Anónimo disse...

querq recordar a todo o pessoal dos morteiros 4271 um forte abraço de muita amizade sou este primeiro cabo apontador de morteiro 81 dos açores não esquecendo o batalhao 4910 ccs !a 2 e a terceira companhia lutamos nesta vida ate a morte sou primeiro cabo n 159237 /72 açoreano dario avelino

Anónimo disse...

NA BATALHA OS AFLITOS TE LOUVARAO ETERNAMENTE O TEU SANGUE DOS CONFLITOS DERRAMADO A TODA GENTE E P´LA VIDA DESTE POVO TE PEDIMOS O PERDAO POSSUINDO ASSIM DE NOVO A VANTAGEM DA ORAÇAO SENDO BOM JESUS DOS AFLITOS E´QUE OS AFLITOS AQUI ESTAO DA´RIO AVELINO 1 CABO 15923772 AÇORES