sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Mais um… é sempre Bem-vindo!

Muito sinceramente, quando criei este sítio, foi com a intenção de divulgar os nossos “Encontros Anuais” na tentativa de “pescar” alguns companheiros/camaradas, os mais distraídos, que desconhecem o nosso evento anual (sempre no 1º sábado de Outubro), daí a sua inércia.

Com a chegada de novos colaborares, o nosso blogue passou de uma apatia profunda em que estava mergulhado, para uma dinâmica espectacular.
E como queremos mais, a partir de hoje temos mais um colaborador, o Amílcar Romão, que muito gentilmente aceitou o nosso convite, para nos ajudar a manter o blogue bem “vivo” e cada vez mais forte na ligação entre toda a malta do batalhão.

Já somos 5 (cinco), e estamos receptivos a mais colaboradores, que queiram dar uma mãozinha, sem qualquer tipo de compromisso e dentro da disponibilidade de cada um.

Uma nota final - para intercalar com as excelentes e exuberantes histórias que nos estão a ser contadas diariamente, e sempre que possível, vou colocar um ou outro post, para recordar os Encontros Anuais já efectuados.

3 comentários:

Curto disse...

Que sejas bem vindo Romão, pois assim a 1ª.Companhia passa a dominar com dois pontas de lança, eheheheheh.
Acho que tem razão, João, pois se não houver um "separador", pode ficar tudo muito empastelado, por isso não escrevi nada nos ultimos dois dias.
E depois até fiquei confuso, pois vi um post que mais tarde desapareceu.
Misterio!
Um abraço

José Carlos Mendes disse...

Bem-vindo, Amílcar. Fizeste bem que o recrutaste, João. Agora, há que dar corda aos sapatos... e trazer mais leitores. Sem isso, estamos para aqui a falar entre nós - e já não é mau.

Miguel Curto:
1. Tens razão. É preciso intervalar.
2. Quanto ao post mistério: tive de o tirar e substituí-lo pelo do National Geographic porque estava muito sentimental. É que eu gostava muito daquele malandro do Costa. E até aludia à família. Ora isso não pode ser, do ponto de vista ético... Desculpem.
Mas ficou melhor assim.

Um abraço para vocês.

Curto disse...

Mendes: Quanto ao Felner da Costa quem é que não gostava daquele "pedaço de homem"? Estou à vontade para o afirmar, pois ele apoiava-se muito em dois furrieis especialistas que ele tinha, o que para os seus oficiais era muito mal aceite e incompreensivel, como facilmente se compreende!
Tantas e tantas cenas vividas e muitas delas sofridas...